Conecte-se conosco

Sem categoria

Casos de dengue dobram em uma semana e Mogi Guaçu intensifica ações de combate

Publicado

em

Casos de dengue dobram em uma semana e Mogi Guaçu intensifica ações de combate

Número de doentes saltou de 23 para 60, e já é quatro vezes maior que o registrado durante todo o ano de 2018. Em 2015, epidemia deixou 15 mil pessoas doentes. O aumento de 23 para 60 casos confirmados de dengue em uma semana acendeu o alerta em Mogi Guaçu (SP). A cidade já contabiliza quatro vezes mais registros da doença do que todo o ano passado (14) e o balanço da Vigilância Epidemiológica aponta ainda que 44 pacientes aguardam resultados de exames. Com o avanço das notificações, o município intensificou ações de combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti. De acordo com a coordenadora de controle da dengue em Mogi Guaçu, Cristiana Folchetti Monteiro Ferraz, a meta é evitar que se repita a epidemia de 2015, quando 15 mil pessoas foram infectadas na cidade. Casos confirmados 2019: 60 2018: 14 (inclui dois moradores de Mogi Mirim) 2017: 23 (inclui dois casos ‘importados’ e um paciente de Estiva Gerbi) 2016: 128

- CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO -

Nós notamos aumento das notificações logo em 1º de janeiro, bem diferente do ano passado. Com isso já tomamos algumas atitudes. Como fazemos o exame aqui, temos uma agilidade maior para atuar na região onde ocorre a transmissão

explica Cristiana. Um dos bairros mais atingidos é o Parque Cidade Nova, onde ocorreram ações de fumacê para combater o mosquito transmissor nesta segunda. A profissional, no entanto, destaca que a preocupação é por uma eventual circulação do tipo 2 da dengue, mais grave que a que circulou na cidade em 2015.

Na epidemia de 2015 a gente isolou o tipo 1. A grande maioria da população ainda não teve o tipo 2. Coletamos alguns exames para isolamento viral, mandamos para o Instituto Adolfo Lutz, mas ainda não recebemos os resultados

diz Cristiana. Em nota, a prefeitura destaca que o aumento do número de casos nos dois primeiros meses do ano

se deve às condições climáticas favoráveis à procriação do Aedes aegypti e, provavelmente, à proliferação de possíveis criadouros de larvas.

Fonte G1 Notícias 

Comentários

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2020 Portal de Pinhal - CNPJ 32.963.468/0001-78 - Todo conteúdo do site pode ser reproduzido, desde que citada a fonte.