Siga-nos em

Educação

Reforço escolar deve complementar o ensino dos estudantes nesse ano, diz pesquisa

O auxílio será necessário para recuperar a aprendizagem desses dois anos de pandemia

Publicado

em

Educacao
© Foto Divulgação | Educa Mais Brasil

Para diminuir a defasagem educacional dos filhos em idade escolar, 28% dos pais entrevistados pelo Instituto Datafolha pretendem matriculá-los em aulas de reforço. O dado faz parte da pesquisa Educação Não Presencial na Perspectiva dos Estudantes e Suas Famílias, encomendada pelo Itaú Social, da Fundação Lemann e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que ouviu 1.306 pais e responsáveis de 1.850 estudantes através do telefone em dezembro de 2021. 

Para os pais que responderam à pesquisa, os estudantes devem receber apoio em matemática (71%), língua portuguesa (70%), ciências (62%) e história (60%). Consideradas apenas crianças em fase de alfabetização, esse percentual sobe: 76% precisarão de mais atenção das escolas na retomada das aulas presenciais, segundo as famílias.

Todos esses pontos refletem no desenvolvimento cognitivo e educacional das crianças. Os primeiros anos da escola são fundamentais para despertar habilidades sociais e educacionais como ler e escrever. Para a neuropsicopedagoga clínica Joyce Cardoso, 42, os pais e a escola precisam estar juntos nessa etapa de retomada para auxiliar as crianças nesse período. Por conta do tempo fora das salas de aula, uma lacuna de aprendizado foi criada e precisa ser preenchida em conjunto. 

“Neste período pandêmico e por causa do longo período de uso dos aparatos tecnológicos, as crianças receberam informações de mais e não conseguiram processar por estarem longe das salas de aula. A memorização e o processo de aprendizagem foram extremamente prejudicados. Com a retomada das aulas presenciais, pais e professores tem papeis fundamentais. Os pais devem incluir na rotina jogos e atividades que auxiliem na estimulação cognitiva. Os professores precisam tomar o cuidado de realizar avaliações apresentando sempre o lúdico para chamar a atenção para o novo, o diferente que não fique apenas na base maçante dos conteúdos”, aconselha a especialista. 

Sobre a retomada das aulas presenciais, a pesquisa mostra o otimismo dos estudantes com relação ao retorno às salas de aula. Segundo o estudo, 83% dos estudantes que retornaram às atividades presenciais estão evoluindo no aprendizado. O percentual de alunos animados com a volta às aulas é de 86%, os otimistas com o futuro somam 80%. Já os estudantes independentes para realizar as tarefas de casa somam 84%, enquanto os mais interessados nos estudos chegam a 77%. 

Gestão educacional

Um outro ponto levantado pela pesquisa é a percepção das famílias com relação à priorização da gestão educacional. Os responsáveis ouvidos afirmam que as instituições devem capacitar os professores e garantir o aumento salarial dos docentes, além de melhorar a infraestrutura das escolas e ampliar o uso de tecnologias em benefício da educação. 

A união entre o corpo docente e as famílias reforça os sentimentos positivos com relação ao retorno das aulas após dois anos de escolas fechadas. A pesquisa identificou que, em dezembro de 2021, mais de 800 mil estudantes continuavam sem receber nenhum tipo de atividade escolar, mesmo estando matriculados.

Isso reflete a desigualdade que já existia que com a pandemia. Um em cada quatro estudantes encerrou o ano sem nenhuma atividade presencial. Entre os estudantes de escolas de baixo nível socioeconômico, esse índice chegou a 34%. 

Em 2022, as redes de ensino no Brasil buscam estratégias para conduzir o ano letivo. De acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Sociedade Brasileira de Pediatria, a segurança na volta às aulas presenciais, em meio à onda de transmissão de Covid-19 provocada pela variante Ômicron, depende do engajamento de toda a comunidade escolar, incluindo os responsáveis. 

Além de estar atentos aos sintomas e aos protocolos, os pais devem se vacinar, vacinar seus filhos e participar da prevenção no dia a dia. A pesquisa revela que, em dezembro de 2021, 89% dos estudantes de 12 a 17 anos da rede pública estavam vacinados e que no caso de 76% das crianças de 6 a 11 anos, os pais e responsáveis declararam que pretendiam vaciná-las imediatamente.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil 

Compartilhe esta notícia

Clique aqui