Connect with us

São Paulo

ICMS Ambiental: Governo de SP pretende dobrar repasse aos municípios

A iniciativa faz parte do eixo de Bioeconomia e Finanças Verdes, do Plano Estadual do Meio Ambiente

Publicado

em

ICMS Ambiental Governo de SP pretende dobrar repasse aos municípios
Parque Ibirapuera — Foto de alfribeiro | Depositphotos

Um grande incentivo aos municípios paulistas que mais preservam o meio ambiente e fazem gestão sustentável de seus territórios é o ICMS Ambiental. Uma das ações previstas no eixo de Bioeconomia e Finanças Verdes, do Plano Estadual de Meio Ambiente, lançado na última segunda-feira (5), propõe dobrar as alíquotas de retorno do ICMS para dois dos quatro critérios ambientais de elegibilidade, justamente as relacionadas à existência de áreas com vegetação nativa e de unidades de conservação estaduais. Com isso, o Governo de SP estima que o repasse para os municípios passe de R$ 366 milhões para R$ 732 milhões por ano, com um aumento na participação municipal e incentivando o aprimoramento da gestão ambiental.

Com a nova proposta, os índices de Vegetação Nativa (IVEG) e Índice de Áreas Protegidas (IAP), que representavam 0,5% do repasse cada um, passam agora a corresponder a 1% do repasse, ou seja, o dobro. O município poderá receber a parcela adicional de ICMS desde que se enquadre em pelo menos um dos critérios majorados. As outras categorias incluídas em 2021, Resíduos Sólidos (IRS) e Reservatórios de Água (IRA), continuarão a representar 0,5% cada uma.

Publicidade

+ Governo de SP prevê restaurar 37,5 mil hectares de áreas degradadas até 2026

No momento, 200 cidades cumprem os critérios atuais. Com as alterações, o número daqueles que atendem pelo menos a um deles será bem maior. “Esse acréscimo se dará, se aprovado pela Assembleia Legislativa, com o aumento dos índices de vegetação nativa e de áreas protegidas, conjugado com o esforço dos municípios em preservarem e recuperarem áreas em seus territórios”, declara Jônatas Trindade, subsecretário de Meio Ambiente.

Publicidade

PEC

A proposta de emenda constitucional enviada à Assembleia Legislativa foi elaborada pela Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística (Seil) e tem como objetivo possibilitar a alteração da redação da Lei nº 3.201, de 23/12/81, em relação à distribuição da receita do imposto.

Cidades como as que fazem parte da região do Vale do Ribeira, onde há uma grande cobertura de vegetação nativa preservada, serão diretamente beneficiadas com a alteração no cálculo do repasse. O ICMS Ambiental, portanto, reconhece e estimula os municípios a conservar e restaurar áreas com vegetação nativa, tanto dentro quanto fora das unidades de conservação. Lembrando que ele é composto, também, das parcelas referentes a boa gestão dos reservatórios hídricos para geração de energia elétrica e abastecimento público, bem como a adequada gestão de resíduos sólidos.

Publicidade

Incentivo a produtores

O eixo de Bioeconomia prevê, ainda, investimentos de R$ 86 milhões no apoio a projetos de restauração de áreas e financiamentos de atividades produtivas. O Programa de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) é um incentivo a produtores, proprietários de áreas rurais, comunidades tradicionais e quilombolas, que promovam a proteção e uso sustentável do meio ambiente.

O projeto é destinado aos serviços de provisão, suporte, regulação e culturais, incluindo a fertilidade do solo, controle de pragas potenciais, polinização e preservação de nascentes e mananciais de abastecimento. Essas ações favorecem a regulação do clima e a redução do desmatamento.

Publicidade

Um bom exemplo é a remuneração dos povos originários, que abrange atualmente oito áreas e beneficia 134 famílias. Cada pessoa pode receber até R$ 250. A primeira fase do projeto-piloto contempla um investimento de R$ 600 mil. As ações incluem monitoramento territorial, restauração florestal e manejo. Cada área indígena deve apresentar um plano de trabalho, com cronograma e metas das atividades, de forma sequencial.

Mar Sem Lixo

Visando as melhores práticas sustentáveis e a conservação marinha, a Semil mantém, por meio da Fundação Florestal, o “Projeto Mar Sem Lixo”, que remunera os pescadores artesanais de arrasto de camarão que coletam resíduos durante a pesca. O programa surgiu com o objetivo de criar um mecanismo de incentivo à remoção de detritos do ambiente marinho, uma vez que a poluição marinha é um problema antigo.

Publicidade

Nos primeiros oito meses de implementação do programa, foram recolhidas quase duas toneladas de resíduos retirados do mar pelos 70 pescadores cadastrados.

Dentre os materiais frequentemente encontrados, 90,7% consistem em elementos plásticos, correspondendo, em massa, a 70% do peso recolhido. Entre os itens estão sacolas de mercado e embalagens. Além disso, também são frequentemente coletados latas de bebidas, vidro, pneu e tecido. Já o valor pago aos participantes pela retirada do lixo foi de mais de R$ 23,9 mil.

Publicidade

Linhas de crédito

Ainda na promoção do eixo de Bioeconomia e Finanças Verdes, a Desenvolve SP, agência de fomento do Estado, possui linhas de crédito em operação para financiamentos de projetos de infraestrutura e desenvolvimento tecnológico e industrial com foco em sustentabilidade. As linhas Economia Verde (LEV) e Municípios Sustentáveis (LMS) disponibilizam R$ 500 milhões para empreendedores privados e gestores públicos.

A LEV é voltada a micro, pequenos e médios empresários com projetos que promovam, por exemplo, a redução de emissões de gases de efeito estufa, a geração de energias renováveis e a eficiência energética. Por meio de práticas sustentáveis e que minimizem o impacto da atividade produtiva no meio ambiente, como redução de consumo de energia, troca de combustíveis fósseis por renováveis, ou ainda com investimentos em reflorestamento e preservação dos recursos naturais.

Publicidade

Já a Linha Municípios Sustentáveis (LMS) é destinada às prefeituras que querem investir em projetos de eficiência e transição renováveis; mobilidade urbana limpa; saneamento; resíduos sólidos urbanos; preservação da biodiversidade (reflorestamento); cidades inteligentes; infraestrutura urbana inclusiva; saúde, educação e assistência social; e infraestrutura resiliente (Casa Militar/Defesa Civil Estadual).

Publicidade

Siga o Portal de Pinhal no Google News e receba alertas sobre as principais notícias.