Siga-nos em

Agronegócio

Especialistas falam sobre o futuro da ”Agricultura Regenerativa: oportunidade para a cafeicultura” durante live realizada pelo Clube illy do Café

Webinário reuniu cafeicultor, estudioso, indústria e EMBRAPA para falar sobre as ações que visam garantir uma cafeicultura mais produtiva e sustentável

Publicado

em

Agricultura Regenerativa: oportunidade para a cafeicultura
© Foto Reprodução | Youtube

O Clube illy do Café realizou nesta terça, dia 08 de fevereiro, em sua página no Youtube, a live “Agricultura Regenerativa: oportunidade para a cafeicultura”. Mediado pelo agrônomo italiano da illycaffè, Luca Turello, o encontro online contou com a presença dos especialistas: Dr. Antonio Guerra (chefe geral da EMBRAPA CAFÉ), Dr. Samuel Giordano (professor e diretor da Universidade do Café Brasil) e Ricardo Bartholo (cafeicultor).

Com o objetivo de promover o intercâmbio de experiências e ideias em relação à transformação do solo e do cultivo de café através das práticas da agricultura sustentável, o evento apresentou oportunidades e desafios para a regeneração e recuperação do solo.

De acordo com Luca Turello, da illycaffè, no ano de 2019 a renomada empresa italiana reforçou ainda mais seu compromisso em buscar um modelo de negócio sustentável, capaz de integrar os interesses das pessoas e do meio ambiente, adotando o status de “Empresa Benefit” e incluindo esse compromisso em seu próprio estatuto.

Desta maneira, a illycaffè demonstra o seu princípio de fazer negócios, sendo uma stakeholder company, que está fundamentada em: sustentabilidade econômica, ao compartilhar o valor gerado e promover crescimento pessoal, sustentabilidade social, ao gerar impacto positivo nas comunidades, além de respeitar o ecossistema através da crescente sustentabilidade ambiental e da difusão da neutralidade de carbono.

Segundo o dr. Samuel Giordano, professor e diretor da Universidade do Café Brasil, a agricultura regenerativa é um conceito de recuperação, de regeneração da saúde do ambiente como um todo, que depende de eixos fundamentais, como: uso sustentável dos recursos, utilização equilibrada de insumos, manutenção da biodiversidade, além das relações harmoniosas entre os seres humanos, os solos, as plantas e os animais.

Ainda durante o evento, o professor apresentou dados mundiais sobre o crescimento do cenário orgânico, obtidos através da pesquisa FIBL 2020 (Research Institute of Organic Agriculture FiBL): 186 países investem em produções orgânicas, hoje em dia são 8,5 milhões de produtores orgânicos, sendo 1,1 milhão representado pelos produtores na Índia. Atualmente o mercado de orgânicos fatura cerca de 97 bilhões de euros, sendo 41 bilhões de euros apenas nos EUA. Vale destacar, que o consumo mundial per capita/ano é 130 euros no mercado europeu, sendo mais de 320 euros representado apenas em dois países: Suíça e Dinamarca.

Consorcio Pesquisa do Café – EMBRAPA

Em paralelo aos crescentes números mundiais, o Brasil, um dos maiores produtores de café do mundo, também tem se destacado pelo investimento em produções mais sustentáveis e pelo vasto conhecimento em tecnologia para agriculturas tropicais, segundo esclareceu durante a live, o chefe geral da EMBRAPA CAFÉ, Antonio Guerra, que aproveitou para revelar a importante contribuição que o Consórcio Pesquisa do Café tem feito para a cafeicultura regenerativa, através das ações de 46 instituições de pesquisas que visam entre outras atividades: melhorar a fertilidade das áreas e manter a parte biológica do solo de uma forma que suas áreas possam ser utilizadas por um período muito maior através da boa utilização da biotecnologia.  

E por falar em empreendedorismo dos produtores nacionais, o cafeicultor Ricardo Bartholo, cuja produção orgânica, realizada no cerrado mineiro, está entre os fornecedores brasileiros da illycaffè no país, participou da live. Esclareceu sobre o sucesso de seu investimento em uma biofábrica instalada em 2019 em sua fazenda, em boas práticas agrícolas, na compostagem e principalmente através da substituição dos produtos químicos pelo uso dos biológicos, compostos por microrganismos como fungos e bactérias, que controlam doenças e pragas. Todas essas iniciativas contribuíram para a obtenção do selo orgânico, além de permitir a manutenção do equilíbrio da biodiversidade melhorando o bem estar e saúde do solo, e mitigando os problemas climáticos.  Além da economia, o cafeicultor garante que, graças à implantação das boas práticas, seu café também saiu ganhando em qualidade, sabor, além é claro dos inúmeros benefícios sustentáveis, como: saúde do solo, auto-regeneração do ecossistema e sequestro de carbono.  

A live foi promovida e realizada pelo Clube illy do Café, que reúne atualmente mais de 600 fornecedores brasileiros da illycaffè, com o objetivo de propagar a troca de conhecimentos e incentivar a produção de cafés de qualidade. A illycaffè é uma empresa familiar italiana, fundada em Trieste em 1933, comprometida em oferecer o melhor café do mundo. É a marca de café mais global, produzindo um único blend de café espresso 100% arábica, com grãos provenientes de 9 países fornecedores, sendo o Brasil o principal.

Compartilhe esta notícia

Clique aqui