Connect with us

Cultura

Casarão histórico apresenta arte contemporânea em Espírito Santo do Pinhal

A “Cia da Hebe” recebe público local e de diversos municípios na mostra gratuita “Latências Ocupação Fotográfica Híbrida”, fruto de um processo de investigação artística realizado por sete artistas

Publicado

em

Fazer e ter arte contemporânea numa cidade com 39 mil habitantes no interior de São Paulo é desafiador e ousado. Mas a prova de que isso é possível e que o público admira e respeita essa iniciativa é a “Latências Ocupação Fotográfica Híbrida”, uma ocupação visual com fotografias, instalações, colagens, vídeos, palavras-imagens, intervenções urbanas, clipes e lambe-lambes criados por sete artistas que integram o Núcleo de Criação da Cia da Hebe, em Espírito Santo do Pinhal (SP).

Casarão histórico apresenta arte contemporânea em Espírito Santo do Pinhal
Foto: Divulgação | Cia da Hebe

A mostra gratuita vem recebendo visitantes locais e de diversas cidades desde sua abertura, há um ano. Os trabalhos expostos são fortes, densos, com temáticas atuais como o preconceito racial, o preconceito contra a mulher, contra o homem gay, as memórias auditivas, os indígenas. Resultante de um processo de investigações artísticas pessoais, “Latências” estabelece um diálogo com os visitantes, permitindo que possam se ver em cada obra. Quem vê os trabalhos não apenas admira, mas tem ativada a sensibilidade, se relaciona com eles por meio de um pensamento crítico e emocional.

Não se trata de uma exposição com cavalete, trilho de iluminação, pinturas bucólicas que se espera em uma cidade do interior. Os temas tocam, provocam, assustam, comovem. Os artistas tiveram a liberdade e a honestidade de sair de modismos, de conceitos estudados, daquilo que se denomina contemporâneo. A coordenação da mostra é de Tika Tiritilli, fotógrafa, artista visual e ativista, João Barim, fotógrafo e design, e Mônica Sucupira, atriz, diretora, poeta e roteirista.

Espaço de arte e cultura

Quase toda cidade pequena tem uma igreja, praça, jardim, uma biblioteca, botecos… Mas nem toda cidade do interior tem um espaço de arte no formato da Cia da Hebe, que apresenta com “Latências” um trabalho profundo e intenso fora do eixo da capital. A Cia da Hebe ocupa um casarão bonito com 121 anos no centro de Espírito Santo do Pinhal, oferecendo, em sua programação, oficinas, encontros, conversas, sempre acompanhados de café e bolo. Trata-se de uma associação de arte e cultura sem fins lucrativos que realiza um trabalho totalmente gratuito de formação, informação, criação e convivência por meio da arte.

O trabalho da Cia é diferente, ousado, capaz de surpreender e encantar quem visita o local. “Nunca pensei encontrar um espaço assim em uma cidade pequena”, “é lindo, me emocionei, não imaginava existir algo assim aqui” ou “os temas são muito contemporâneos, me surpreendi” são as frases mais comuns ditas por quem conhece a Cia.

Com entrada gratuita, a Cia da Hebe está localizada na Rua Capitão João Batista Mendes Silva, 175, no centro de Espírito Santo do Pinhal.

Núcleo de Criação da Cia da Hebe, responsável pela ocupação Latências: Glauber Carrião, Helô Mattiazzi, Roberta Sucupira, Rita Maia, Tika Tiritilli, João Barim e Mônica Sucupira. Colaboradores: Tamara Barim e Leandro Pereira.

Siga o Portal de Pinhal no Google News e receba alertas sobre as principais notícias.

Publicidade