Siga-nos em

Saúde

Cerca de 10 milhões de brasileiros sofrem com alguma disfunção renal no Brasil

Publicado

em

Cerca de 10 milhões de brasileiros sofrem com alguma disfunção renal no Brasil
© Foto de Kindel Media no Pexels

A vocalista Paulinha Abelha, da banda Calcinha Preta, está internada desde o dia 11 de fevereiro, após passar mal durante turnê em São Paulo, com problemas sérios de saúde, entre os quais,  a rápida perda da função renal.

Segundo Dr.Carlos Machado, nefrologista e médico de família, especialista em medicina preventista, infelizmente muitas pessoas só descobrem a doença quando os rins estão em estágio terminal e pouco há para fazer em termos de tratamento.

Dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia indicam que o número de doentes renais no Brasil dobrou na última década. Estima-se que 10 milhões de brasileiros sofram de alguma disfunção renal. Atualmente, entre 90 mil e 100 mil pessoas passam por diálise no país.

“Os rins funcionam como filtros do organismo e são fundamentais para o equilíbrio interno do corpo. A insuficiência renal pode ser aguda (IRA), quando ocorre súbita e rápida perda da função renal, ou crônica (IRC), quando esta perda é lenta, progressiva e irreversível. E quando os rins começam a parar, vão deixando de realizar todas as suas importantes funções, isto é, a água e resíduos em excesso acumulam-se no sangue, o que chamamos de uremia”, explica Machado.

Dr. Carlos ressalta que o corpo de uma pessoa com problemas nos rins passa por uma série de sintomas e mudanças, entre elas, fadiga, ressecamento na pele, mudança na urina, náuseas, vômitos, perda de apetite, alterações repentinas na pressão arterial, inchaço nas pernas, olhos, pernas e pés, deficiência de vitamina D (causando osteoporose), além de ter poder ter arritmias por aumento do potássio no sangue.

Mas calma! Nem tudo está perdido, segundo o especialista. Existem casos reversíveis, se a doença não virou crônica. A prevenção é de suma importância, com controle da glicemia no sangue, manter o peso adequado, realizar exercícios físicos regularmente alimentação balanceada e hidratação e evitar o tabagismo, o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e não abusar de antiflamatórios.

“A maioria dos problemas renais são, no início, silenciosos, e não se trata apenas de uma doença de idoso não. Podemos tratar a insuficiência renal com medicamentos e controle da dieta, mas nos casos graves, apenas a realização de diálise ou transplante renal. Dessa forma, antes de qualquer tratamento, pedimos a realização de dois exames fundamentais: um de urina (para analisar a proteína albumina) e de sangue ( para checar a presença de  creatinina)”, finaliza Dr. Carlos Machado.

Compartilhe esta notícia

Clique aqui